Viagem

Viagem

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Desenhar palavras...Vivendo um Dostoiéweski qualquer


Pessoas e suas comidas. Pessoas e seu modo de viver e pensar. Pessoas e suas escolhas. Pessoas tão diferentes e ao mesmo tempo tão parecidas. Aqui em Milão, me surpreendo com as semelhanças da minha pesquisa com a do grupo de Imaginário daqui e vice versa, com a intimidade que tenho com o trabalho do Odin, e com os duplos assim como no filme "A Dupla Vida de Veronique" do grande mestre Kieslowiski.

A globalização é um assunto importante. Identidade: uma questão a ser discutida. A China impera, não só na Via Paolo Sarpi; encontrar um produto italiano a bom preço é difícil, os italianos compram “made in china” sem muitos questionamentos.

E assim vamos às porpetas que Giuliana me ensinou a fazer.

Ah! Além disso a bela Giuliana me levou ao mercato (a feira livre), onde a China não impera e sim países do leste europeu menos abastados.  Ela me conta como é sua região, Sondrio, onde as pessoas colhem os cogumelos das montanhas, uma atividade muito perigosa. Os “mercati” estão em todos os bairros (em italiano: zona) e ali se pode comprar frutas e verduras frescas e tudo o mais: sapatos, roupas, bijuterias e etc. Preços muito convidativos.

Para a porpeta:

Carne moída, queijo parmesão ralado, ovo, cheiro-verde, que nesse dia não tínhamos, mistura tudo depois passa na farinha de rosca (pane grattugiato) e deixa cozinhar com tampa no óleo de oliva, pode acrescentar tomatinhos cereja, orégano e sal em fogo muito baixo.


Aqui na Itália, apesar da fama as pessoas são tímidas. A não ser pelo futebol...Que levou inclusive certa pessoa a ser presidente e agora todos cozinham como as porpetas em fogo baixo e lentamente já que o cara é dono de todos os meios de comunicação e os outros meios estão...Tímidos?

Nem só de porpeta porém somos feitos... Ah, o teatro e seu poder de despertar da morte as almas mais adormecidas.

Fui ver “Judith” espetáculo da atriz Roberta Carreri com direção de Eugenio Barba no Teatro Elfo Puccini (www.elfo.org) na Via Corso Buenos Aires, 33 (Metrô Lima, linha vermelha).
 Milão tem muitos teatros e fazem temporadas curtas. A organização dos teatros é muito diferente da nossa e depois explico porquê.

O espetáculo é deslumbrante...Eu disse deslumbrante! Retumbante! Simples como são simples os grandes trabalhos. Uma grande atriz, um trabalho fortíssimo com as imagens que o texto original gerou, e os elementos teatrais desenvolvidos com beleza, com força e identidade, originalidade. As imagens de vida e morte criadas com o corpo, os opostos de amor, dor e prazer.

Queria tê-la aplaudido em pé, mas a platéia não se levantou e fiquei sem graça. Sabe como é, são códigos diferentes...Mas que nada...Veem pouco teatro de pesquisa me explicou alguém. E essa realmente não entendi, ou a conclusão a que chego é que Milão é uma pequena província de gente adormecida e autômata que se veste sempre bem, freqüenta aperitivos e futebol sem pensar muito.

Bom...Eu poderia te me levantado e teria levantado a platéia mas, são já tantas as ocasiões em que teria sido eu que...Ah...Uma discussão sobre ser mulher na Itália está na minha lista de posts: Andrea "causando" fora de casa. Saibam que meu nome aqui, é nome de homem, e que só há pouco tempo mulheres, ainda meninas, tem esse nome. Fiz uma amiga de 5 anos que se chama Giulia Andrea...

Os códigos corporais aqui são diferentes. São dois beijinhos para cumprimentar e começa da direita, coisa de louco!!! E só com quem se tem um pouco de proximidade, se não, aquele aperto de mão, que não dou nem no meu cardiologista, que vejo duas vezes no ano. Abraço só prá quem é super amigo, brother mesmo. Ou se encontrar o pessoal de teatro, teatro de verdade...Os de teatro mesmo! Roberta Carreri me abraçou porque a aplaudi depois, só prá ela, em pé!

Se um homem acender seu cigarro, ajudar a vestir o casaco antes que você pense nisso, abrir a porta do carro, te der passagem e abrir a porta para você passar, não pense que está arrasando! É comum mesmo, tipo assim regra de boa educação! Se te tratar com casca e tudo, também é normal, afinal tem uma confusão medonha aqui sobre igualdade de direitos. Por via das dúvidas, eu tenho evitado todo tipo de contato mais assim "à brasileira", até que o álcool nos iguale a todos em espontaneidade!




Evoé Baco! Comunicação garantida ou sua Heineken de volta!

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Estava querendo notícias suas e entrei pra saber mais...fiz uma rápida viagem a Milão através de suas palavras....incrível código, o italiano. Incrível te 'ver' aí, de novo. Imagino sua fúria incontrolável por ser você, nessa terra linda, árida e ávida pela sua alma. Beba de todas as suas fontes, Déia, e não esqueça de onde você vem, de quem você é. O resto, é prosperidade. Beijo em seu coração. Clara Moya

    ResponderExcluir
  3. Oi parabéns pelo blog!
    gostaria de saber aonde vc fez faculdade de Artes!
    obrigada...!

    ResponderExcluir
  4. Olá Thatica! Obrigada, espero que a minha experiência possa ser útil! Fiz graduação em Terapia Ocupacional na Usp e Mestrado e especializaçaõ em Arte na ECA mas a grande aprendizagem artística tive no Teatro Ventoforte nos anos 90 onde fiquei 10 anos! Bjão

    ResponderExcluir