Viagem

Viagem

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Desenhar palavras... Eugênio Barba em Milão

Um post meio psi...

Na pesquisa que me levou ao doutorado, os processos de criação em teatro são portas para o Imaginário. Meu projeto para a bolsa sanduíche previa além da pesquisa sobre a Pedagogia do Imaginário de Paolo Mottana; contar histórias (depois conto como foi) e aprofundar minha relação com o trabalho do Odin.

Escrevi o projeto sem a certeza de que seria minimante possível fazer uma parte dele, mas eis que, como nas mais belas histórias, os deuses se manifestaram, os ventos foram favoráveis e eu soube, ainda no Brasil - viva a internet - , que o grupo estaria em Milão de 4 a 19 a junho com uma intensa programação.

Em abril, Barba esteve em São Paulo para uma visita à Escola São Paulo de Teatro, uma palestra curta no Sérgio Cardoso e uma demonstração de trabalho de Julia Varley. A fila de espera imensa pode demonstrar o quanto é querido e conhecido no Brasil. Pelas graças de Ivam Cabral, com quem trabalhei nos Sátyros, (quem o conhece sabe que é um amigo fiel e pessoa boníssima) estive no jantar que foi oferecido prá Julia e Eugenio. Achei que não conseguiria ir. Estela Carvalho e Marina Donati, minhas companheiras de Caixa de Fuxico, me levaram até a portaria do prédio prá dar uma força e garantir que eu não “fugiria”.

A porta do apartamento estava fechada, não achava a campainha...

Oh Deus! De novo não!

Agora então, conto uma história de um tempo muito antigo, em que eu era eu, mas não como sou hoje: estava na Itália há pouco tempo, onde tinha vindo encontrar um namorado, aventurar. Era 1992, tinha 22 anos, fazia teatro desde adolescente e estava há um ano no Ventoforte. Fui comprar ingresso prá um espetáculo da atriz Paola Borboni, conheci o produtor do evento, contei o que fazia e ele me disse que dali há uns dias Eugenio Barba estaria ali, estava montando grupos, não me lembro bem, mas Georgio, me disse que Eugenio certamente gostaria de me conhecer e agendou um encontro. No dia cheguei na hora, fiquei esperando na porta do teatro, estava com dor de barriga. Perguntei por eles na recepção e me disseram que era prá eu entrar que me esperavam lá dentro do teatro, as portas estavam fechadas, não dava prá ver o que tinha dentro...Respondi que esperaria lá fora, a moça insistiu, eu não entrei, esperei um pouco até que a dor de barriga aumentou e fui embora.

Quando liguei, Georgio me deu a seguinte bronca: Você deixou o Eugenio Barba esperando! Respondi que tinha esperado fora, ele ficou muito bravo e respondeu que Eugenio me esperava obviamente dentro!

Oportunidades perdidas não se recuperam?

A porta do apartamento estava fechada. Considerei desistir. Mas agora, sou outra e me adentro às situações mesmo que com medo. Então abri a porta e dei de cara com Eugênio Barba e zam...Cumprimentei em italiano, me apresentei falei da pesquisa, ele riu cumprimentou e continuou a conversar com quem estava ao seu lado.

Eu fui andando pelo apartamento, cheguei ao Fábio Cintra, (aff que sorte, o Fábio por aqui...) Rodolfo brincou comigo... (talvez achasse que eu fosse penetra...)em meio aos professores e diretores de teatro, atores e atrizes que conhecemos ...Cibele Forjaz, Maria Thaís, e os queridos Raul Teixeira, Fábio Penna e a bela (como é bela!) Cléo de Páris...Lá estava eu. Tão nervosa, me queimavam as orelhas! Conversei um tanto com o Fábio Cintra, querido professor da disciplina da música para a cena.

Ivam me achou lá no meio e fez as apresentações. (Salva enfim!) Falei com Julia Varley, porque já eu já tinha visto o espetáculo O Sonho de Andersen, tinha feito o curso do Lume, lido o Burnier e conversamos um pouco e ela então me deu o e-mail da pessoa certa para que eu pudesse me agendar para a temporada de Milão.

É heróis, conseguir informação não depende só da internet!

Em Milão assisti às demonstrações de trabalho de Julia Varley, Roberta Carreri, de todo o grupo Odin, à palestra de Eugênio, o seu Lectus Magistrales, o espetáculo Judith de Roberta Carreri.

Fiz dois, dos três dias de curso, com Augusto Omolu e Jan Ferslev, porque no terceiro... Dor de barriga!!Faz parte da adaptação à um mundo diferente.

E fui ao lançamento do livro de Tony d’Urso na “Libreria del mondo offeso” e não vi os espetáculos do final porque tinha um curso de Pedagogia do Imaginário, com meu orientador daqui, em Verbania no Lago Maggiore, depois conto como foi.

Em todos esses encontros aproveitei para tirar minhas muitas e antigas dúvidas, o que fazia Julia Varley sorrir prá mim. Na palestra perguntei à Eugenio a minha maior e sintética delas, a que move minha pesquisa há 15 anos; como se faz eu sei, conheço o training: Mas, como as imagens geradas pela improvisação que geram material que são depois selecionadas por ele podem ser colocadas em uma forma teatral que possui uma linguagem arquetípica, que traz ressonâncias de experiências ancestrais, enfim serem tão universais ?

Resposta e pergunta foram muito ricas: Eugenio respondeu que hoje em dia pensa nisso e dá o nome de “linguagem dos anjos” ao trabalho que faz com os atores, faz com que cheguem a essa linguagem simbólica.

Falei com ele depois, me reconheceu da casa do Ivam.

Vai me ver de novo, com minha batelada de perguntas, porque fui selecionada e vou prá Dinamarca fazer a Odinweek(www.odintheatret.dk) em agosto.

E para fazer o curso fora do meu local de estudos tive que pedir autorização para a Capes com carta do meu orientador daqui, do orientador do Brasil, uma justificativa e anuência da pró-reitoria!

Prá mim um mundo de sonhos realizados.
* Igreja de San Maurizio. Milão.



Para saber mais:



Eugenio Barba é italiano, diretor do grupo de Teatro Odin. Figura central do teatro mundial. Autor de vários livros, alguns deles já publicados no Brasil : Além das Ilhas Flutuantes (1991), Canoa de Papel (1994), Dicionário de Antropologia Teatral em co-autoria com Nicola Savarese (1995), Terra de cinzas e diamantes (2006) e em italiano Prediche dal giardino (2010), Bruciare la casa, origini di um regista (2000), Teatro Solitudine, Mestiere e Rivolta (2000) dentre outros.



Fundador da ISTA (International School of Theatre Antropology) uma espécie de universidade itinerante que através da prática investigativa estuda as bases do trabalho do ator a partir de um processo comparativo com vários estilos de interpretação do teatro oriental e ocidental.



O Odin, nos seus processos de investigação criou o “Baratto Culturale”, uma troca de experiências através de uma montagem com uma comunidade, um diálogo entre realidades diferentes em que a barreira da língua é superada pelo movimento corporal, pela música e pela festa.



Eugenio Barba foi discípulo de Jerzy Grotowski e fundou o Odin em 1964. Mantém uma intensa atividade de criação de espetáculos e de ensino de teatro. Sua proposta de linguagem se baseia em pesquisas de um treinamento técnico corporal a partir de elementos de diversas culturas tradicionais, desse treinamento desenvolve processos de improvisação com temas e recolhe imagens originais para criação de espetáculos que são ricos em imagens criadas com o corpo, com a voz, a música, com uso de bonecos e outros elementos cênicos que geram imagens de simbolismo universal.



O curso OdinWeek acontecerá de 12 a 21 de agosto de 2010, em Holstelbro na Dinamarca, sede do grupo. A programação do curso inclui encontro com o diretor do grupo: Eugênio Barba, treinamento técnico com alguns dos integrantes do Odin: Roberta Carreri, Augusto Omolu e Jan Ferslev, espetáculos e demonstrações de trabalho com todo o grupo Odin, acesso à biblioteca e aos vídeos e um encontro com o administrador do Odin Teathet.



Eugenio Barba escreveu muitos livros, alguns publicados no Brasil desde 1991, os relatos sobre o treinamento técnico do ator descritos nos livros foram fonte de informação para dar continuidade aos processos de criação que iniciei junto ao grupo Ventoforte, dar forma e aprofundar minha prática teatral.



Essa prática foi se constituindo através do tempo, fundamenta e estrutura minha proposta de formação para artistas e educadores através de uma Pedagogia do Imaginário e é base para os processos de criação junto ao grupo Caixa de Fuxico criado por mim em 1999. Os processos de criação em teatro são a matéria prima para a minha proposta de Pedagogia do Imaginário, que aprofundei aqui no estágio no exterior na Universidade de Bicocca de Milão com o Prof. Paolo Mottana.



O grupo Odin de teatro visto como um fenômeno social e cultural existe há 45 anos, sua influência social e cultural é muito grande, através da palavra escrita e também por isso tem grande influência no meio teatral. O grupo possui uma estrutura que permite o ensino, a troca de experiências, o registro por escrito, e temporadas ao redor do mundo que incluem demonstrações de seus processos de trabalho que possibilitam acesso à linguagem teatral desenvolvida pelo grupo, trocas e aprendizagem com diferentes culturas.



Conhecer sua sede, financiada pela cidade de Holstelbro, sua organização de proposta de ensino de teatro, é a importante possibilidade de conhecer iniciativas de políticas públicas voltadas para Arte e para a Cultura e vai ampliar as minhas perspectivas em relação à manutenção de patrimônio cultural imaterial.





Bibliografia de referência



BARBA, E. Além das Ilhas Flutuantes. São Paulo: Hucitec, 1991.



BARBA, E. Canoa de Papel. São Paulo: Hucitec, 1994.



BARBA, E. Terra de Cinzas de Diamantes. São Paulo: Perspectiva, 2006.



BARBA, E. Teatro Solitudine, Mestiere e Rivolta. Milão: Ubulibri, 2000.



BARBA, E. Bruciare la casa. Origine de um regista. Milão: Ubulibri, 2009.



BARBA, E. Prediche dal giardino. Mondaino :L’arboreto Edizioni, 2010.



SAVARESE, N; BRUNETTO, C. Training! Come l’attore libera se stesso.

Un’antologia di classici. Roma: Dino Audino Editore, 2004.



BARBA, E ; SAVARESE, N. A Arte secreta do ator. Dicionário

de Antropologia teatral. Campinas: Editora Hucitec e Editora da Unicamp,

1995.

Nenhum comentário:

Postar um comentário